Fotógrafa, Lydia Whitmore

Destaque / Destaque Criativo
Lydia Whitmore
1162390719
Lauren Catten
ago. 15, 2019
Lydia Whitmore é uma fotógrafa que tem vários papéis simultaneamente, uma designer excepcional e uma colaboradora incrível. Ela cria cenas originais com formas incisivas e celebrações coloridas.
Lydia e eu trabalhamos juntas durante os últimos meses em uma série focada no lado divertido da juventude. O resultado é a união incrível entre o que é familiar e o que é inesperado. Eu conversei com a Lydia sobre seu processo e práticas de trabalho.
[Lauren Catten]: Você pode me contar um pouco sobre a sua história?
[Lydia Whitmore]: Eu cresci em uma parte remota do interior de Sussex, e assim que tive a oportunidade fui estudar arte em Londres. Trabalhei em um laboratório de filme e de alguma forma acabei conseguindo um trabalho como auxiliar de fotógrafo. Acho que só consegui o trabalho porque faço quiches deliciosas (parte do trabalho era cozinhar todos os dias)!

[LC]: Como você sente que a arte e a fotografia influenciam as suas composições?
[LW]: Eu estudei pintura na faculdade e foi muito estranho notar que ela é muito parecida com a fotografia em termos de abordagem criativa. Você tem uma maneira física diferente para adicionar um pouco de destaque aqui ou uma sombra em movimento ali.

[LC]: É nítido que você é uma fotógrafa incrível, mas seus designs também são – esse é um aspecto do processo que você particularmente gosta?
[LW]: Com o passar dos anos eu aprendi que não posso tentar e fazer tudo sozinha. É muito fácil para mim ter essa mentalidade de ‘se você quer algo bem feito, faça você mesmo’, mas eu cheguei à conclusão que colaborar é uma das coisas mais fortes que você pode fazer – para se abrir e abrir suas ideias para a perspectiva de outra pessoa.

[LC]: Qual foi a sua melhor criação?
[LW]: Eu acabei de fazer um ensaio editorial com a designer Jaina Minton que envolveu walkmans gigantes de papel e fitas cassetes. Foi tão divertido e acho que eu jamais teria conquistado o resultado final sozinha.

[LC]: Eu amo como você consegue criar outros mundos em seu trabalho, o que a levou a fazer experimentos dessa maneira?
[LW]: Eu cresci em uma parte bem remota do mundo. Acho que tentava criar mundo de fantasia desde pequena. Eu me inspirava nas florestas ao meu redor e o que eu via nos filmes de terror que meu irmão trazia escondido para casa.
[LC]: O que você diria que seria a marca registrada da Lydia?
[LW]: Eu acho que sempre tive um estilo consistente e não tem por que lutar contra isso, ou você vai acabar se perdendo. Tenho a tendência de fazer as coisas parecerem incisivas, iluminadas e agressivas. Já tentei ser feminina e delicada, mas essa não sou eu!

[LC]: Como você começou a sua carreira como fotógrafa?
[LW]: Eu meio que tropecei na fotografia quando comecei a auxiliar um fotógrafo em tempo integral. Eu não tinha nenhuma experiência técnica, mas ele tinha fé que eu aprenderia. Do nada todas as peças se encaixaram e eu percebi que era exatamente aqui que eu queria fazer.

[LC]: Você tem ideias aleatórias, ou você se acha mais metódica?
[LW]: Eu tenho um caderno repleto de ideias que estou sempre adicionando coisas novas, e quando eu tenho a oportunidade entre trabalhos, eu mergulho nas minhas ideias e tento descobrir o que consigo conquistar com o que tenho em termos de tempo, orçamento e materiais.

[LC]: Qual é o maior erro que você cometeu fotografando e como isso mudou o seu entendimento sobre o seu trabalho?
[LW]: Na maior parte do tempo, quando eu abordo um trabalho eu sei exatamente como será o resultado porque existe tanto planejamento envolvido. Se tiver qualquer aspecto que eu não conheça, eu tento marcar um teste para que eu possa prever qualquer problema. Acho que existem mais acidentes no mundo da fotografia de moda e eu sinto saudades daquela sensação de poder capturar um momento.

[LC]: Você tem algum tema ou apetrechos que você gosta de usar com frequência?
[LW]: Eu sempre volto e uso os mesmos temas em meus trabalhos pessoais, que são paisagens futurísticas, ficção científica e rituais com homem de palha.

[LC]: O que você faz para tornar as coisas mais empolgantes no dia a dia e continuar progredindo? Você lê revistas ou sites para se inspirar?
[LW]: Eu encontro inspiração mais em filmes, e acho que as vezes seguir outros fotógrafos em redes sociais pode te tornar mais competitiva do que criativa. Acho que pode ser uma boa ideia procurar por inspiração fora da sua indústria. Para mim, filmes de terror são super inspiradores!
[LC]: Tem alguma imagem que se destaca em seu próprio arquivo como um momento que foi desafiador para ser capturado, ou que seja mais especial que os outros?
[LW]: É sempre uma sensação incrível quando você nota que chegou à perfeição e que aquela imagem estará em seu portfólio para sempre. Eu me senti assim em um dos meus últimos ensaios que completei para a Getty Images!

[LC]: O que você diria para quem está começando agora e sonha em se tornar um fotógrafo profissional?
[LW]: Eu diria que a melhor maneira de entrar na indústria e uma maneira de entender se é algo que você realmente quer fazer, é auxiliar o máximo de pessoas possíveis. Você terá uma boa noção de como realmente é o trabalho, e é muito mais do que apenas uma proficiência técnica.

[LC]: Qual é o seu aplicativo favorito?
[LW]: Acho que todos estamos mergulhados no Instagram, mas eu tento ficar o mais longe possível do meu telefone. Mas o Exhibitionary é um ótimo aplicativo para encontrar exibições e aberturas, ele é incrível!

[LC]: O que você tem ouvido no momento?
[LW]: Existem alguns artistas incríveis com inspiração em jazz como Kamasi Washington, Shabazz Palaces e Flying Lotus.

[LC]: Qual é a vista da sua janela?
[LW]: Eu olho diretamente para a linha do trem da estação Haggerston em Londres, então eu deixo sempre as minhas cortinas fechadas, porque as pessoas que estão entediadas ficam sempre olhando para mim!

[LC]: Qual é o seu próximo projeto?
[LW]: Estou planejando fazer um curta metragem de terror com um amigo meu. É algo que sempre tive interesse, então espero que a gente consiga fazer isso um dia desses!
Fotógrafo, Yixun Sun