A arte da desorganização

Tendências / Bem-estar
Vostok
1045472890
Beth Wachtel
jul. 30, 2019
Quer você goste ou não, as pessoas em todos os lugares estão se questionando se seus itens materiais “trazem felicidade.”  Em 2014, Marie Kondo, também conhecida como a “dona do minimalismo,” publicou um livro best‑seller #1 do New York Times mostrando sua maneira Feng Shui de organização. O livro superou as expectativas dos leitores e os levou a analisar seus armários e guarda‑roupas. O objetivo principal ‑ manter apenas aquilo que apoia o estilo de vida ideal de um indivíduo e se despedir do resto mostrando gratidão. Essa máquina de transformação acabou idealizando uma série de sucesso no Netflix e um livro infantil, além de obter outras conquistas.  Parece que a organização excessiva vai além do normal e está dominando o mundo.  
 
Doar ou dar coisas não é um conceito novo. Está provado que o minimalismo aumenta a felicidade e pessoas que estão lidando com crises internas são frequentemente aconselhadas a encontrar tranquilidade ao organizar seus arredores. Para conseguir arrumar qualquer espaço com sucesso é importante ter um lugar certo para cada item, aquele objeto tem um lar ‑ o que torna um conceito confortador!  Entre a nossa existência moderna e continuamente caótica, identificar e remover tudo que é desnecessário é uma forma de se sentir sob controle. Claramente, essa ideia de ‘Menos é Mais’ está explorando algo mais universal, conforme as pessoas ao redor do mundo estão se tornando mais minimalistas e organizando todos os aspectos de suas vidas.

Tem o surgimento da empresa Swedish Death Cleaning, que faz o processo de organização da casa de um indivíduo que faleceu, poupando que pessoas próximas lidem com essa tarefa após perderem quem amam.  Algumas pessoas com objetivos altruístas estão reduzindo seus bens como parte do movimento Desperdício Zero, se responsabilizando por seus impactos ambientais menores. Ploggers vai ainda além disso, saindo da parte pessoal e entrando em espaços públicos compartilhados, juntando corridas e trilhas ‑ ou qualquer outra forma de exercício ao ar livre ‑ a recolher lixo e contribuir para um habitat mais feliz e saudável para todos nós.
 
Seja qual for a motivação, transformar a bagunça da vida dá mais trabalho do que uma organização superficial, é necessário praticar a atenção plena. Ao notar as nossas próprias prioridades e agir com intenção, é possível lembrar que somos excepcionais, mais do que os objetos ao nosso redor. Somos empoderados para fortalecer as conexões emocionais que realmente importam ‑ um lar confortável, uma atmosfera acolhedora, uma realidade pessoal que reflete nossa sensação verdadeiramente. Uma consideração: o que vai, o que fica e por que ‑ é a essência do processo criativo por si só: a arte de refinar uma visão pessoal.  
O aumento dos negócios secundários