A maternidade nos esportes

Tendências / Bem-estar
Westend61
1140187451
Sandra Michalska
set. 30, 2021
Desde o início das Olimpíadas modernas, muito progresso foi feito em relação à igualdade de gênero. No entanto, ainda existem disparidades de gênero, principalmente para as mães que praticam esportes, que precisam de mais visibilidade. Através das redes sociais, as atletas femininas estão preenchendo essa lacuna com o envolvimento direto com os fãs, mais controle de sua marca pessoal e mais oportunidades de serem francas sobre a maternidade ‑ o que muitas vezes é considerado incompatível com o esporte profissional. Há alguns anos, Serena Williams usou o Instagram para falar sobre a depressão pós‑parto. Mais recentemente, a jogadora francesa de basquete Valériane Ayayi Vukosavljevic revelou que estava grávida de três meses e meio enquanto disputava os jogos olímpicos. Ela conseguiu conquistar a medalha de bronze com sua equipe.

Essas histórias têm impacto social e refletem as expectativas crescentes das mulheres por uma comunicação autêntica que reflita totalmente seus estilos de vida. Da pressão pós‑parto à amamentação ou exercícios durante a gravidez, algumas marcas estão seguindo o exemplo com representações mais realistas da maternidade. Ainda assim, entre o mito de uma mãe perfeita e a culpa por reservar tempo para fazer exercícios, é importante ver uma variedade mais ampla de histórias de maternidade reais e empoderadoras.
Gravidez: Maneiras de ser ativa
Na Getty Images, nossos dados revelam que de todas as imagens que os clientes escolheram para mostrar mulheres se exercitando durante a gravidez, há uma representação muito pequena de atividade física que vai além da ioga em interiores perfeitamente impecáveis, organizados e minimalistas. Apesar de o yoga em si ser, sem dúvida, uma atividade benéfica para a saúde mental e física para as mulheres grávidas, expandir o escopo da expressão visual com mais variedade no que diz respeito aos ambientes domésticos, às atividades e a quem deve ser representado aumenta mais a acessibilidade, a diversidade e a inclusão verdadeira. Caminhada rápida, natação, ciclismo, dança ‑ todas essas atividades são consideradas seguras para a maioria das mulheres grávidas, mas as imagens mais populares usadas pelas marcas negligenciam essa riqueza em cenários visuais. Ao mostrar as mulheres em diferentes atividades sob uma luz positiva, as imagens podem aumentar a participação e a saúde da mulher. Já para as marcas, significa ir além dos clichês visuais e diferenciar sua narrativa das demais.
Pós‑parto: Sem Filtro
Os últimos dados reunidos pelo Visual GPS confirmam que, globalmente, as mulheres são mais propensas a sofrer preconceitos em relação à forma, tipo ou tamanho do corpo, e esse sentimento é ainda mais forte entre as mulheres mais jovens. Em um mundo onde nossa compreensão dos corpos pós‑parto é fortemente pressionada por transformações corporais antes/depois vistas nas redes sociais, a representação visual inclusiva tem o poder de contrariar a pressão pós‑parto. Na Getty Images, temos o compromisso de mostrar a realidade da jornada pós‑parto, com toda uma gama de diferentes tipos de corpo, com ou sem as estrias. Ao mostrar as possibilidades e tipos infinitos de corpos femininos, os anunciantes podem desafiar os estigmas sociais e aumentar a confiança das mulheres para se manterem ativas. Além disso, as imagens que mostram recompensas emocionais positivas da gravidez e atividades pós‑parto, como conectar‑se com outras mães em aulas de esportes ou conectar‑se com a natureza no parque, ressoarão com o público feminino e estimularão a participação.
Maternidade: A próxima geração de mulheres esportistas
Manter‑se ativo não é importante apenas para a saúde das mulheres, mas também tem uma grande influência na saúde da próxima geração. Incentivar as crianças a praticar esportes desde cedo, dando o exemplo, é vital para a criação de uma sociedade mais saudável e ativa. Apesar de saber que a pandemia pressionou as mulheres a fazerem ainda mais tarefas domésticas, ela também acrescentou outra camada à mudança do cenário visual ao redefinir as prioridades das mulheres: 9 em cada 10 mulheres agora pensam que é tão importante cuidar de si mesmas emocionalmente quanto bem como fisicamente. Além disso, além de desenvolver rotinas diárias de bem‑estar e exercícios, 9 em cada 10 mulheres em todo o mundo procuram celebrar as coisas boas da vida. E como a maternidade é uma jornada de vida, as marcas têm a oportunidade de ampliar as histórias da maternidade e incluir cenários que retratam o poder de vínculo do esporte entre mães e filhos de todas as idades. Mostrar mães de todas as idades, raças, habilidades e tipos de corpo falará verdades sobre a maternidade para um público ainda mais amplo.
A evolução do bem-estar depois dos 50 anos