Visibilidade LGBTQIA+

Tendências / Autenticidade
Flashpop
1145099279
Tristen Norman
jun. 18, 2021
A cultura pop sempre desempenhou um papel instrumental no aumento da representatividade LGBTQIA+ e parece que, no último ano, as coisas cresceram muito. Séries roteirizadas, como Twenties, Pose e L Word: Generation Q+, reality shows, como Legendary e Rupaul’s Drag Race, além dos documentários a respeito de nossa história, como PRIDE ou o desafio da representação da comunidade trans em Disclosure. Parece que além de estarmos aumentando as representações LGBTQIA+, estamos indo além de apenas um único símbolo da comunidade queer, chegando a representações cada vez mais interseccionais.

Mas o que parece ser uma revolução na mídia, contradiz com a dura realidade da representação LGBTQ+ em outra. Para o marketing e a propaganda, a representação LGBTQIA+ continua sendo nominal.
Para o marketing e a propaganda, a representação LGBTQIA+ continua sendo nominal.
Em 2020, o Geena Davis Institute analisou as inscrições do festival Cannes Lion de 2006‑2019 e descobriu que apenas 1,8% dos personagens em anúncios eram LGBTQIA+. De modo parecido, como fornecedor de imagens criativas para as maiores marcas do mundo, descobrimos que menos de 1% das imagens baixadas ano passado mostram histórias ou pessoas LGBTQIA+.

As marcas desempenham um papel importante em levar as narrativas adiante e são vistas como grandes responsáveis pela inclusão. Na verdade, aprendemos com nossa recente onda de pesquisa do Visual GPS, que em áreas do mundo nas quais existe mais visibilidade LGBTQIA+ na mídia, parece haver uma diminuição relacionada na discriminação enfrentada pela comunidade.
A visibilidade é apenas metade do trabalho. Conforme levamos mais da comunidade LGBTQIA+ para o centro da narrativa visual, precisamos também evitar imagens estereotipadas e unidimensionais. Existem pessoas LGBTQIA+ de todos os contextos raciais ou étnicos, de todas as idades, habilidades, classes, formatos de corpos, religiões ou culturas. É também uma comunidade que representa não apenas as orientações sexuais diversas, mas também diferentes identidades de gênero e expressões. Cada uma dessas intersecções de identidade forma e influencia suas realidades como pessoa LGBTQIA+ em diversas frontes e até aumentam suas experiências de discriminação.
A visibilidade é apenas metade do trabalho. Precisamos também evitar imagens estereotipadas e unidimensionais
Aprendemos em nosso trabalho que a discriminação molda a experiência, e as experiências guiam a cultura ao nosso redor que alimenta a mídia e suas representações. Quando as comunidades experimentam vieses, preconceito e até violência com base em determinados aspectos de sua identidade, esses mesmos vieses podem aparecer na cultura e, por sua vez, em representações na mídia. Não tem apenas a ver com a representação, mas sim como ocorre. O poder de uma imagem autêntica está em sua capacidade de não apenas representar as pessoas de maneira correta, mas também de promover maior aceitação e compreensão.

Há muito trabalho a ser feito. As marcas têm muito a fazer para melhorar a representação da comunidade LGBTQIA+ no marketing e na publicidade. Mas não é preciso fazer isso sozinho ou sem apoio. Criamos um guia sobre Narrativa Inclusiva LGBTQIA+ para inspirar as indústrias de mídia, marketing e publicidade a serem mais inclusivas e cuidadosas em suas seleções visuais.

O momento para a visibilidade LGBTQIA+ na publicidade é agora. Quer se unir a nós?
Como a discriminação está impulsionando a inclusão