Nosotros: Reivindicando histórias latinxs

Repicture / Nossas Parcerias
ferrantraite
1156517594
Tristen Norman
mai. 1, 2019
Quente. Sexy. Apimentado. Machista. Traficante de drogas. Trabalhador. Trabalhador rural. Exótico. Ambíguo. Imigrante. Invisível. Outro.
 
Existem quase 58 milhões de pessoas de descendência Latina/Hispânica morando nos Estados Unidos, tornando essa comunidade a maior minoria étnica e racial da nação; mesmo assim sua representação na mídia com frequência é resumida com arquétipos unidimensionais como descritos acima. Homens, mulheres, binários, são frequentemente sexualizados. Mulheres são taxadas como brinquedos exóticos ou trabalhadoras domésticas. Homens podem apenas ser machistas e dominantes.

Hoje lançamos “Nosotros”, a primeira coleção curada com o objetivo de ajudar a acabar com alguns dos estereótipos generalizados da comunidade Latina/Hispânica. Nós vemos essa coleção como uma alavanca para reivindicar narrações Latinx em nosso panorama visual. É uma celebração da comunidade Latina/Hispânica nesse continente e todos os seus cruzamentos relevantes: corpos cheios de curvas, magros, atléticos, de pele escura, de pele clara, e tudo que existe no meio, como queer, heterossexual, acima dos 50 e incrível, jovem e feliz, empoderado e no comando, capacitado, deficiente e muito mais. Não existe só uma forma de ser latinx e cada história é única e merece ser contada.
Hoje lançamos “Nosotros”, a primeira coleção curada com o objetivo de ajudar a acabar com alguns dos estereótipos generalizados da comunidade Latina/Hispânica.
Mas nós entendemos que mesmo lançando uma coleção como esta, nós ainda estamos
enfrentando uma batalha sem fim. Por exemplo, dos poucos Latinos/Hispânicos apresentados no mundo, eles são frequentemente apresentados como pessoas bronzeadas, com cabelos finos, mas ondulados; priorizando uma proximidade de um fenótipo europeu ao invés da realidade da comunidade que é rica etnicamente e inclui uma grande variedade de descendentes com ancestrais indígenas, africanos e/ou europeu em suas origens.
Não existe só uma forma de ser latinx e cada história é única e merece ser contada.
E isso é se eles forem inclusos de alguma maneira. Um estudo de 2016 publicado pela Iniciativa de Mídia, Diversidade e Mudança Social na USC Annenberg School for Communication and Journalism, descobriu que a comunidade latina está entre a melhor representada em filmes e TV com apenas 5,8%. Na publicidade, enquanto a indústria tem se afastado de personagens que são ofensivos como “Chiquita Banana” ou o chihuahua do Taco Bell, marcas ainda tratam essa comunidade como uma segunda possibilidade.
Contudo, a maré está mudando e estamos em uma nova era de inclusão. Os Estados Unidos está a caminho de se tornar uma maioridade de minorias. Conversas importantes estão surgindo sobre como para alguns de nós, o cruzamento entre identidades diferentes pode frequentemente ter consequências graves. Hollywood, a televisão tradicional e serviços de streaming estão começando a reconhecer e usufruir do poder e talento único das pessoas consideradas marginalizadas para trazer ao centro das atenções histórias mais diversificadas. Marcas estão dizendo para suas agências para diversificar suas equipes ou procurarem por outros clientes. Beyoncé está supostamente saindo de reuniões multimilionárias porque as equipes não refletem o mundo. E aqui na Getty Images, nós estamos lançando a coleção Nosotros.

Veja, licencie e use fotos da Nosotros em seu próximo projeto ou campanha. Nos ajude a transformar a narrativa visual para essa comunidade e muitas outras!
Projeto #ShowUs